Close
Metadata

%0 Conference Proceedings
%4 sid.inpe.br/mtc-m16d/2020/12.01.16.43
%2 sid.inpe.br/mtc-m16d/2020/12.01.16.43.16
%T Condições atmosféricas favoráveis à formação de ressacas
%D 2020
%8 16-19 nov. 2020
%A Silva, Marcely Sondermann da,
%A Chou, Sin Chan,
%@affiliation Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)
%@affiliation Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)
%@electronicmailaddress marcely.silva@inpe.br
%@electronicmailaddress chou.chan@inpe.br
%E Galetti, Giovana Deponte,
%E Sena, Caio Átila Pereira,
%E Mandú, Tiago Bentes,
%E Jacondino, William Duarte,
%E Alves, Laurizio Emanuel Ribeiro,
%E Afonso, Eliseu Oliveira Afonso,
%B Encontro dos Alunos de Pós-Graduação em Meteorologia do CPTEC/INPE, 19 (EPGMET)
%C Online
%S Resumos/Pôsteres
%I Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)
%J São José dos Campos
%1 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)
%K Ressacas, mudanças climáticas, agrupamento.
%X As zonas costeiras estão entre as áreas mais vulneráveis aos impactos das mudanças climáticas. Santos é uma importante cidade costeira do Estado de São Paulo e sua vulnerabilidade à variabilidade e às mudanças climáticas está relacionada a sua alta densidade populacional e às importantes atividades econômicas, como a presença do maior porto da América do Sul. Eventos de ressaca têm se tornado mais frequentes desde o final dos anos 90, conforme registrado por observações ao longo da costa do Estado de São Paulo, podendo causar transtornos à navegação e às atividades portuárias. O objetivo do presente trabalho é caracterizar as condições atmosféricas de grande escala favoráveis à formação de ressacas no litoral de Santos. Esse fenômeno pode ser definido com base na altura significativa da onda, Hs, e no seu tempo de permanência. Neste trabalho, considera-se ressaca quando Hs é igual ou superior a 2,5 metros e possui duração de pelo menos 24 horas. São utilizados dados horários de onda (altura significativa da onda) e atmosféricos (pressão ao nível médio do mar, intensidade e direção do vento) provenientes da reanálise ERA5, com resolução de 0,5° x 0,5° e 0,25° x 0,25°, respectivamente. São encontrados 89 casos de ressaca para os meses de maio utilizando o período de 1981 a 2010 (clima presente). Para identificar os padrões atmosféricos, utiliza-se a técnica de agrupamento conhecida como K-means que particiona o conjunto de casos de ressaca em um número de grupos onde cada evento pertence ao grupo mais próximo da média. São encontrados três padrões atmosféricos favoráveis à formação do fenômeno para o mês de maio. O primeiro padrão é caracterizado pela presença de um ciclone no litoral de Santos com ventos paralelos à costa e com intensidade superior a 8 m/s. O segundo, com 23 casos, apresenta uma pista de ventos no oceano com velocidade superior a 8 m/s, formada por um sistema de alta pressão ao sul e uma baixa pressão ao norte no Oceano Atlântico Sul. Neste caso, os ventos incidem perpendicular à costa de Santos. O terceiro padrão apresenta o maior número de eventos (58 casos) e é caracterizado por ventos de sudoeste provenientes de uma alta pressão sobre o continente.
%9 Interação Oceano-Atmosfera
%@language pt
%3 INT_OCEAN-ATM_MARCELYSONDERMANN - Marcely Sondermann.pdf
%) sid.inpe.br/mtc-m16d/2020/12.07.21.57


Close